comentar
publicado por Hercus Santos at 08:15 am

 

 

O meu avô paterno nasceu e cresceu dentro da família real de Manelima (a mãe do meu avô quando ainda era solteira era guardião das coisas sagradas da casa real de Manelima e quando ela morreu, toda a família real de Manelima, incluindo o Liurai Luis Ferreira Soares e sua esposa (os pais do avô Jose Estêvao Soares) e também avô Francisco Osorio Soares e mais outros familiares, foi viver em Funar durante um mês para a cerimónia do seu enterro) e os seus primos eram fundadores da Apodeti e um era governador de Timor no tempo da Indonesia. Mesmo assim o meu avo aderiu para Fretilin e somos da família Fretilin. Como disse alguém amigo, amigo mas negócio a parte. Então posso utilizar isso nouto sentido que é Família, família partido a parte. Mas agradecemos sempre avô Ikito Osorio Soares e a tia Mariazinha (esposa da Jose Osório Soares e filha do governador do tempo português depois da segunda guerra mundial o Capitão Oscar Ruas) que ajudaram muito a minha família nos momentos difíceis. Podemos ter diferenças das ideias políticas mas os familiares integracionistas sempre nos ajudaram nos momentos difíceis. Avô Ikito com tio Estêvao primos irmãos mas tio Estevao posso o chamar como tio porque também é primo da minha mãe (a avó materna de tio Estêvão chama-se Isabel era da Casa Real de Manehi'ak). 

 

O meu avô também descendente da Casa Real de Manehi'ak. O pai do meu avô paterno chama-se Dato Jerimias Hahik Wain (Veja o livro dos antigos reinos de Timor-Leste de Sua Excelência Dom Ximenes Belo que fala sobre o reino de Funar). A mãe de Dato Jerimias chama-se Kasabutar e ela era irmã de Dom João da Cruz. 


comentar
publicado por Hercus Santos at 07:56 am

 

Ita hotu akompaña polítika Indonézia nian, liu-liu, iha momentu eleisaun prezidensiál nian ne’e. Mai ita ba haree liu de’it problema prinsipál no sensitivu sira relasiona ho Direitus Umanus, Nova Era (Orde Baru) no Komunizmu iha eleisaun prezidensiál Indonézia nian 2014. Durante tempu kampaña prezidensiál, ha’u lakohi atu halo komentáriu ida, iha situasaun hanesan ne’e, ita presiza kuidadu no iha sensibilidade, atu la hamosu interpretasaun ne’ebé laloos, julgamentu oioin no ema seluk la bele uza lori “klaim” tun-sa’e.

 

Liutiha eleisaun, ha’u hakarak halo komentáriu ruma ne’ebé iha relasaun liu ba problema ne’ebé maka sai polémika liu durante kampaña nia laran kona-ba alegasaun ba violasaun Direitus Umanus, preokupasaun husi ema balu nian kona-ba possibilidade atu mosu fali Nova Era/Orde Baru II, ou posibilidade atu mosu fali komunizmu iha Indonézia. Ba dala uluk, ha’u hakarak saúda povu Indonézia ba sira-nia susesu lori hala’o eleisaun prezidensiál ne’ebé maka la’o iha ambiente paz nia laran.

 

Nu’udar sidadaun estranjeiru no moos nu’udar sidadaun husi nasaun viziñu, ha’u-nia hanoin halai hanesan moos ho ita-nia antigu Prezidente Repúblika Dr. José Ramos Horta katak ita respeitu prosedimentu legál Indonézia nian. Sé sé de’it maka manan eleisaun, ita respeita desizaun povu Indonézia nian no Timor-Leste sei simu (bem vindo) bainhira prezidente eleitu hakarak vizita ita-nia rain. Biar se kandidatu Prabowo maka eleitu karik moos ita sei respeita no sei simu nia iha Timor-Leste hanesan moos ba Jokowi.

 

Ho hanoin katak problema Direitus Umanus nu’udar problema universál no sempre atuál entaun ha’u haree katak sé sé de’it maka manan sei hasoru difikuldade ruma atu rezolve problema sira-ne’ebé relasiona ho Direitus Umanus ne’e iha Indonézia. Prabowo sei hasoru difikuldade atu rezolve problema Direitus Umanus iha tempu pasadu tanba, hanesan ita hotu hatene, katak iha alegasaun kontra Prabowo. Ha’u uza liafuan alegasaun ho hanoin ida bazeia ba prinsípiu Prezunsaun Inosénsiu tuir Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948, artigo XI número 1 “Toda a pessoa acusada de um acto delituoso presume-se inocente até que a sua culpabilidade fique legalmente provada no decurso de um processo público em que todas as garantias necessárias de defesa lhe sejam asseguradas”. Jokowi moos sei hetan difikuldade hanesan. Ne’e la’ós tanba Jokowi iha moos alegasaun ba violasaun Direitus Umanus maibé iha ninia tim kampanye iha moos ema balu ne’ebé maka iha alegasaun forte ba violasaun Direitus Umanus. Ha’u hanoin katak iha polítika, bainhira iha apoiu malu tenke iha vantajen ba malu (recíproca). Ne’e katak líder ida ou partidu polítika ida kuandu halo parte ba comissão de apoio iha kandidatura nia laran, nia ou partidu ne’e hein katak sei hetan buat ruma bainhira sira-nia kandidatura manan. Iha polítika bele vale hanoin ida katak “give and take” ou pelumenus “give and hope to take”. Tanba ne’e maka ha’u hanoin katak Jokowi moos sei iha difikuldade atu rezolve problema sira Direitus Umanus nian.

 

Ha’u hanoin katak se Indonézia hakarak tebes atu rezolve alegasaun ba violasaun Direitus Umanus iha passadu (inklui moos violasaun Direitus Umanus iha Timor-Leste), Indonézia tenke halo buat rua hanesan tuir mai ne’e:

 

Primeiru, Indonézia tenke reformula hikas prosedimentu legál kona-ba kandidatura Prezidente Repúblika nian. Ho lei número 42, 2008 kona-ba eleisaun prezidensiál ne’ebé maka regula katak só partidu ou partidu polítiku sira ho votu porsentu 25 ou ho kadeira porsentu 25 iha eleisaun lejizlativa iha parlamentu (DPR) maka bele aprezenta kandidatura ba eleisaun prezidensiál. Lei ne’e moos limite atu partidu ki’ik sira bele aprezenta moos sira-nia kandidatura rasik. Inklui limite moos kandidatura independente. Ne’e katak kandidatura tenke aprezenta husi partidu polítiku ida (ne’e katak partidu ne’e tenke boot no hetan persentajen votus ou kadeira hanesan iha leten ne’e) ou lubun partidu polítika sira. Entaun partidu sira-ne’e ita haree baibain mai husi partidu sira-ne’ebé maka tuan ou ninia líder sira mai husi Istória pasadu nian ne’ebé ladun di’ak no bele iha possibilidade boot ba alegasaun ba violasaun Direitus Umanus. Porezemplu hanesan iha team kampanye Jokowi nian (tanba halo koligasaun) husi partidu balu ninia emar importante iha moos alegasaun ba violasaun Direitus Umanus. Se Indonézia hakarak tebes duni atu rezolve sira-nia problema ba violasaun Direitus Umanus, sira tenke reformula hikas lei ne’e no halo hikas lei ne’ebé bele fó fatin atu partidu ki’ik sira moos bele aprezenta rasik sira-nia kandidatura no moos bele fó fatin moos ba kandidatura independente. Ha’u-nia preferénsia partidu maka aprezenta ninia kandidatura (ho hanoin hanoin katak Indonézia nasaun ne’ebé maka boot no ninia emar barak tebes) no halo lei ne’ebé ninia persentajen ki’ik tantu husi votu komu husi kadeira iha parlamentu. Tanba iha partidu polítiku sira balu sira-nia emar importante sira la iha alegasaun ba violasaun Direitus Umanus. Entaun husi ne’e maka iha kandidatura ida eleitu entaun nia sinte livre liu lori rezolve problema Direitus Umanus iha Indonézia.

 

Segundu, Indonézia tenke ratifika Sistema Internasionál Protesaun Direitus Umanus no moos tenke asegura prinsípiu supremasia Direitu Internasionál iha ninia ordenamentu jurídiku internu. Só ho nune’e maka povu Indonézia ( no moos povu Timor-Leste) bele iha esperansa ba solusaun alegasaun violasaun Direitus Umanus iha passadu no moos bele fó esperansa liu-liu ba Indonézia lori iha garantia ba protesaun ba Direitus Umanus. Saída de’it maka atu halo lori rezolve problema Direitus Umanus iha Indonézia, Indonézia di'ak liu, ba integridade rai nian no unidade povu nian, halo tuir hanesan saída maka akontese iha África do Sul (ne’ebé Timor-Leste moos halo tuir). Kria hanesan Comissão de Acolhimentu, Verdade e Reconciliação lori rezolve problema sira ba alegasaun violasaun Direitus Umanus iha Indonézia ninia rai laran.

 

Ita iha konxiénsia katak violasaun Direitus Umanus hanesan iha Indonézia no moos iha Timor-Leste iha pasadu nu’udar konsekuénsia ida husi konjuntura polítika internasionál nian. Iha kestaun Indonézia nian, bainhira Ir. Soekarno monu lori harii Nova Era (Orde Baru) ho Soeharto no durante Soeharto ninia ukun EUA (reprezenta nasaun osidentál sira) maka sempre fó apoiu ba nia. Inklui iha-ne’e moos invazaun Indonézia nian ba Timor-Leste. Problema rua ne’e, Soekarno nia monu no hamosu Nova Era (Orde Baru) Soeharto nian akontese iha ambiente Guerra Fria nia laran. Entaun ita bele dehan katak konjuntura polítika internasionál maka provoka buat sira ne’e akontese. Iha kontestu Timor-Leste nian rasik, Indonézia rasik iha inísiu la iha hanoin atu reklame Timor-Português. Liuhusi Ministru Rai Liur Indonézia nian iha 1975 haruka karta ofisiál ida ba ninia omólogu Dr. José Ramos Horta lori hateten, entre seluk, katak Indonézia respeita Timor-Leste ninia Ukun Rasik An. Komplikasaun, iha rezolusaun ba alegasaun violasaun Direitus Umanus nian iha Tribunal iha kazu Timor-Leste nian, akontese tanba iha intervensaun direta ou indireta husi nasaun sira-ne’ebé maka ema hanaran “mestre no na’in” ba Direitus Umanus iha mundu durante liu tinan 20 nia laran ba violasaun Direitus Umanus iha Timor-Leste. Ou se violasaun Direitus Umanus hetan duni julgamentu iha Tribunál sei mosu imparsiál no la iha justisa tanba baibain membru ki’ik sira de’it maka hetan pena no kumpre pena to’o hotu no ne’e hanesan “amostra” ida de’it ba julgamentu violasaun Direitus Umanus ba públiku ou ba mundu. Enkuantu lider boot Indonézia nian sira lei la kona. Julgamentu ba lider timoroan balu, depois hetan tiha pena, husik hikas fali ho , moos dala ruma sai fali hanesan estratéjia ida naksumik an iha prinsípiu ida naran ne bis in idem. Kazu ida la bele julga ba dalarua.

 

Iha relasaun ho preokupasaun ema balu nian katak Nova Era (Orde Baru) sei mosu fali bainhira Prabowo sai prezidente, ha’u hanoin ne’e preokupasaun lójika no normál ho hanoin katak povu Indonézia sei iha trauma ba ninia pasadu resente ba governasaun husi sira-nia prezidente Ditadór Soeharto. Maibé ha’u hanoin katak sistema demokrasia Indonézia nian oin seluk ona. Ita haree de’it ba esperiénsia governasaun Abdurrahman Wahid (Gud Dur) nian ne’ebé nu’udar líder husi movimentu musulmanu boot liu iha Indonézia, Nahdatul Ulama, ne’ebé maka parlamentu Indonézia nian bele hatún. Ne’e katak se parlamentu bele konsege hatún ona Gusdur, ita bele fiar katak lider prinsipál husi partidu polítiku sira, husi movimentu, sindikatu no asosiasaun sira no inklui moos povu Indonézia rasik iha ona persesaun di’ak ba sistema demokrasia no prinsípiu “rule of law”.

 

Ho nune’e maka ita bele iha esperansa katak biar se Prabowo maka sai karik prezidente, nia sei la la’o tuir ain-fatin ninia banin nian. Nia sei la sai ditadór tanba, ha’u fiar, nia moos iha konxiénsia ho razaun hirak ne’ebé ha’u temi iha leten, no moos partidu sira-ne’ebé maka apoia nia nu’udar moos partidu sira-ne’ebé maka konsidera nu’udar demokrátiku no lider sira-ne’ebé maka apoiu nia moos iha kompromisu di’ak ba demokrasia, governasaun di’ak (boa governação) no rule of law. Ita bele temi hanesan ezemplu Aman Reformasi ba Indonézia Amien Rais no antigu Prezidente Tribunál Konstitusionál Mahfud MD. Se mosu fali ditadór ida, Indonézia sei selun karun. Kazu bele sai hanesan fali akontesimentu iha 1999 no ha’u fiar lider prinsipál Indonézia nian sira-ne’ebé maka apoiu Prabowo no inklui Prabowo rasik iha konxiénsia di’ak ba kestaun ne’e. Ho nune’e maka Prabowo sei la sai ditadór.

 

Iha relasaun ho preokupasaun atu mosu hikas komunizmu iha Indonézia tanba iha afiliasaun husi jerasaun emar sira-ne’ebé uluk halo parte ba Partidu Komunista Indonézia nian iha PDIP nia laran, ha’u hanoin katak ne’e hanesan preokupasaun normál no lójika moos bainhira ita haree hikas ba Indonézia nia pasadu kona-ba komunizmu iha Indonézia. Ha’u hanoin kualkér lider partidu polítiku sei la arriska atu lori harahun sira-nia nasaun no sira-nia polítika internasionál ho hanoin katak Indonézia maka maiór aliadu EUA nian iha Ázia. Presu lori uza hikas fali komunizmu iha sistema polítika Indonézia nian sei sai karun tebes. No ha’u fiar katak lider partidu polítiku sira sei iha konxiénsia ba ida-ne’e. Tanba ne’e maka ha’u hanoin katak se Jokowi sai duni prezidente, nia sei la adota komunizmu nu’udar ideolojia ida. Liu-liu, komunizmu rasik la’ós trend ona iha ninia hun iha mundu osidentál no mundu ne’e rasik husik ona ideolojia komunista ba sorin husi sena polítika internasionál. Katak iha polítika internasionál, mundu ladún iha ona preokupasaun ba ideolojia komunista. Iha nasaun uitoan liu ona maka sei kaer ideolojia komunista mas ideolojia ne’e rasik mundu (mundu ne'ebé lidera husi USA) haree la’ós ona hanesan perigu ida. Situasaun sei sai diferente loos se ita sei iha tinan 1975 nian ba kotuk. Agora karik Jokowi manan nia bele implementa de'it ideolojia ne'e ho ninia hanoin ou polítika (policy) ruma ba traballadór sira-nia moris di'ak tanba ne'e moos sai hanesan programa husi Prabowo nian. Ita hotu hatene katak koligasaun Merah-Putih forte tebes iha parlamentu tanba ne'e maka Jokowi sei book an la di'ak iha parte sensitivu balu hanesan atu la uza naran relijiaun iha KTP no ninia koligasaun sei la bele hasai lei ne'ebé maka bandu komunizmu iha Indonézia. Sé Jokowi koko obriga ninia polítika balu ne’ebé maka sensititivu iha komunidade Indonézia nia leet, iha possibilidade boot ninia destinu sei la dook hanesan Gusdur nian.

 

Atu remata, pasadu ne’e di’ak ou la di’ak, sé maka iha razaun ou sé maka la iha razaun, ita ema la iha ida maka bele fila ba kotuk lori hadi’a fali saída maka akontese tiha ona hanesan funu, oho malu,etc . Maibé ita ema sei bele determina dalan ba futuru. Saída maka akontese iha pasadu devia sai nu’udar lisaun di’ak ida lori hakat ba oin. Iha nasaun barak maka iha ninia pasadu ne’ebé maka metan. Mas buat sira-ne’ebé akontese iha pasadu sira ne’e iha ninia sirkunstánsia rasik. Nu’udar ema ita aprende husi pasadu lori kontribui buat ruma di’ak iha protesaun Direitus Umanus, liberdade, demokrasia, governasaun di’ak, rule of law, lori hamosu ambiente paz nian ida no ba nasaun nia di’ak no lori kontribui moos ba mundu nia di’ak. Iha hanoin ne’ebé maka ideál, di’ak duni atu ema sé sé de’it maka halo krime (kualkér krime ida) hetan pena no biar nune’e kontinua respeitu nafatin ninia Direitus Umanus, ninia dignidade no respeitu moos supremasia lei nian. Tanba tebes duni pena ne’e hanesan dalan ida, husi dalan sira seluk, lori fó garantia ba autoridade lei nian no lori estabelese hikas estabilidade iha komunidade nia laran. Maibé ita moos hatene katak iha realidade lei formál (lei estadu nian) nein sempre bele konsege rezolve problema sira hotu iha komunidade nia leet. Eziste moos mekanizmu rezolusaun konflitu hanesan iha Timor-Leste porezemplu “Nahe Biti Boot” ou rezolusaun konflitu liuhusi lei tradisionál tuir idak-idak ninia kultura no lisan (Iha Timor-Leste no moos iha Indonézia) no maneiru oioin lori oinsá maka bele rezolve problema ida. Importante maka rezolve problema ida atu prevene la bele mosu hikas fali iha futuru oin mai, lori estabilidade no paz ba komunidade. Problema mosu, iha violasaun Direitus Umanus, bainhira hahalok krime nian iha moos karakter polítiku ou nu’udar rezultadu husi konsekuénsia konjuntura polítika internasionál ida-ne’ebé hetan moos apoiu husi EUA. Tanba ne’e, ba kestaun sira hanesan ne’e ita presiza ulun malirin, maturidade no kuidadu lori tetu di’adi’ak lori rezolve sasán sira liuhusi dalan ne’ebé maka di’ak liu ba ita hotu.

 

Husi: Hercus Pereira dos Santos, alunu mestradu iha Direitus Umanus iha Law School of Minho University - Portugal.

 

Nota: Artigu ne’e uluk ha’u publika iha Tempo Semanal loron balu de’it bainhira Indonézia sira remata halo votasaun. Iha tempu ne’ebá sei halo hela kontajen ba votus.


comentar
publicado por Hercus Santos at 03:03 am

Um brevíssimo olhar sobre as questões dos Direitos Humanos, da Nova Era e do Comunismo na eleição presidencial da Indonésia em 2014.

 

Eu, acompanho a política da Indonésia, sobretudo neste momento relacionado com a eleição presidencial. Durante o tempo da campanha eleitoral, eu não me quis pronunciar, nem fazer nenhum comentário, para que a minha opinião não suscitasse mal entendidos, e desta forma não acontecesse más interpretações, julgamentos alheios e aproveitamento por terceiros. Depois do ato eleitoral, eu quero fazer alguns comentários em relação às questões mais polémicas, que decorreram durante a campanha para as presidenciais, como a alegada violação dos Direitos Humanos, a possibilidade do surgimento da II Nova Era e a da implantação do Comunismo na Indonésia.

 

Em primeiro lugar, quero saudar o povo da Indonésia pelo sucesso das eleições presidenciais realizadas num ambiente de paz. Em princípio, como cidadão estrangeiro, dum país vizinho, partilho a ideia do nosso antigo Presidente Dr. José Ramos Horta que, respeita o procedimento legal interno da Indonésia, seja quem for que ganha as eleições, nós respeitamos a decisão dos Indonésios e, será bem-vindo a Timor-Leste. Tanto o candidato Prabowo, como o seu adversário Jokowi, caso sejam eleitos um ou outro serão bem recebidos no nosso país. Tendo em consideração a questão dos Direitos Humanos, que é uma querela universal e atual, vejo que os dois candidatos, vão ter alguma dificuldade em resolver as mesmas questões. Prabowo, vai ter problemas em resolver as questões dos Direitos Humanos do passado, porque como todos nós sabemos, que há uma alegação contra Prabowo em relação aos Direitos Humanos. Eu utilizo a palavra alegação, por uma questão de respeito ao princípio de presunção da inocência, segundo a Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948, artigo XI número 1 “Toda a pessoa acusada de um ato delituoso presume-se inocente até que a sua culpabilidade fique legalmente provada no decurso de um processo público em que todas as garantias necessárias de defesa lhe sejam asseguradas”. É o que vai acontecer também com Jokowi. Ele não tem problema com os Direitos Humanos no passado, mas no seu lado (na sua comissão) há elementos que também foram indiciados de violação dos Direitos Humanos. Penso que na política, a questão do apoio tem por princípio o benefício entre ambos (os que dão e os que recebem) ou seja, se um líder ou um partido político, fazem parte também da comissão de apoio à candidatura, em princípio, esse líder ou esse partido ou esses partidos políticos, esperam receber alguma vantagem, caso a sua candidatura seja eleita. É uma questão de “give and take” ou pelo menos “give and hope to take”.

 

Por isso, penso que o Jokowi também vai ter alguns problemas em resolver os assuntos relacionados com os Direitos Humanos no passado. Eu pessoalmente, penso que, se a Indonésia tem seriedade para resolver as alegações da violação dos Direitos Humanos do passado (incluindo também a violação dos Direitos Humanos em Timor-Leste), a Indonésia deve fazer mais duas coisas importantes:

 

Primeira, ela deve reformular o procedimento legal em relação com a candidatura ao Presidente da República. Com a lei número 42, 2008 sobre a eleição presidencial que regula que só o partido ou os partidos políticos com 25% dos votos ou 20% das cadeiras da eleição legislativa no parlamento (DPR) podem apresentar candidatura à eleição presidencial. Com essa lei, uma candidatura deve ter apoio dos outros partidos. Esses partidos, às vezes, podem ter elementos principais que também têm alegação da violação dos Direitos Humanos (no caso de Jokowi tem, na sua comissão de apoio à candidatura, elementos que têm alegação da violação dos Direitos Humanos). Essa lei também limita a participação dos pequenos partidos e não dá espaço para uma candidatura independente. Se a Indonésia quer mesmo resolver os problemas da violação dos Direitos Humanos, deve reformular essa lei e criar uma lei que pode dar espaço para a participação dos pequenos partidos e candidaturas independentes. Com isso, pode fazer surgir candidaturas que não têm problemas relacionados com os Direitos Humanos. Porque existem partidos políticos em que os elementos principais não têm problemas com a alegação da violação dos Direitos Humanos. Se uma candidatura for eleita e não tem problemas com a alegação da violação dos Direitos Humanos, ela pode ter maior liberdade para resolver esses problemas.

 

Segunda, a Indonésia deve ratificar o sistema internacional de proteção dos Direitos Humanos e também deve assegurar o princípio da supremacia do Direito Internacional no seu ordenamento jurídico interno. Só com isso, é que o povo da Indonésia, (e também o povo de Timor-Leste) pode ter uma esperança na solução da alegação da violação dos Direitos Humanos no passado, e também pode ter uma esperança especialmente para o povo da Indonésia sobre a garantia da proteção dos Direitos Humanos. Seja o que for na resolução da alegação dos Direitos Humanos na Indonésia, para a integridade territorial e a unidade do povo da Indonésia, devia seguir também os paços da África do Sul (incluindo também de Timor-Leste) de criar uma comissão de Acolhimento, Verdade e Reconciliação para resolver os problemas da alegação da violação dos Direitos Humanos no seu território. Estando consciente que a violação dos Direitos Humanos, tanto na Indonésia, como em Timor-Leste no passado, foi uma consequência da conjuntura política internacional.

 

Na questão da Indonésia, a queda de Soekarno e o surgimento da Nova Era com Soeharto (durante a governação do Soeharto) teve como apoio principal os países ocidentais liderados por EUA e incluindo aqui a invasão da Indonésia a Timor-Leste. Esses problemas (a queda de Soekarno e a criação da Nova Era com Soeharto e a invasão da Indonésia em Timor-Leste) aconteceram num ambiente da Guerra Fria, podemos dizer, que a conjuntura política internacional que provocaram essas violações, foi uma consequência da conjuntura política internacional da Guerra Fria. A Indonésia em si, no início da proclamação da Independência de Timor-Leste deu uma garantia, através do seu Ministro dos Negócios Estrangeiros, num documento oficial ao Dr. Ramos Horta como Ministro dos Assuntos Externos de Timor-Leste, que tem como um dos conteúdos o respeito por parte do Governo da Indónesia, a independência de Timor-Leste. A complicação, na resolução da alegação da violação dos Direitos Humanos no Tribunal no caso de Timor-Leste, acontece precisamente porque há uma intervenção direta ou indireta pelos países ditos “mestre e senhor” dos Direitos Humanos no mundo durante 20 e tal anos, ou se a violação dos Direitos Humanos for resolvida legalmente será sempre parcial e injusta, porque normalmente os pequenos (nem todos) tornam como vítima ou “uma amostra” ao público de como existe uma aplicação da penalização aos criminosos dos Direitos Humanos, enquanto os líderes principais, os generais da Indonésia, são ainda intocáveis.

 

Em relação com a preocupação do surgimento da Nova Era em relação com a candidatura de Prabowo, eu admito que é uma preocupação lógica e normal tendo em consideração de que, o povo Indonésio ainda está traumatizado com o seu passado recente sob a governação do seu Presidente Ditador Soeharto. Contudo, o sistema da democracia da Indonésia já é diferente. Tendo em consideração a experiência da governação do Grande Estadista Abdurrahman Wahid (conhecido com nome Gusdur) o líder do maior movimento muçulmano da Indonésia, Nahdatul Ulama, que foi derrubado pelo parlamento da Indonésia. Se o parlamento já conseguiu derrubar o líder do maior movimento muçulmano da Indonésia, podemos considerar que os líderes principais dos partidos políticos e de outros movimentos, sindicatos e associações (Já existem na Indonésia muitos e milhares de movimentos, sindicatos e associações, porque na Indonésia atualmente a liberdade de associação já é bem assegurada. Essa realidade é muito bem diferente do que aconteceu outrora) e incluindo o povo da Indonésia, já têm uma boa perceção do sistema da democracia e do princípio de “rule of law”. Com tudo isto, podemos ter a esperança de que se for Prabowo o Presidente da República, ele não vai seguir os passos do seu “antigo” sogro, não vai ser ditador porque, além da consciência das razões acima mencionadas, os partidos políticos que o apoiam são os partidos considerados democráticos, e pelo menos com o mínimo de dois líderes principais como referencia da democracia, boa governação e rule of law. O Amien Rais é considerado como o pai reformador da Indonésia e Mahfud MD que recentemente terminou o seu mandato como Presidente do Tribunal Constitucional da Indonésia. Se existir de novo um ditador, a Indonésia vai pagar muito com isso. A situação política de 1998 (a queda de Soeharto) pode ser como que uma referência para qualquer líder, tomar cuidado com a sua maneira ou o modelo de governação. Mas isso já é pensar demais, porque eu acredito que isso não vai acontecer. O que é, certo é que hoje em dia o Parlamento da Indonésia tem poder para derrubar o Presidente da República. Por isso, acredito que Prabowo não vai ser ditador caso ele seja eleito presidente. Em relação ao comunismo na Indonésia e a afiliação da geração do antigo e proibido Partido Comunismo da Indonésia dentro do PDIP, também é uma preocupação normal e lógica, tendo em consideração o passado da Indonésia. Qualquer líder dos partidos políticos não vai arriscar em destruir o seu país e a sua política internacional, tendo em consideração de que a Indonésia é o maior aliado dos EUA na Ásia. O preço para a utilização do comunismo no sistema político da Indonésia é muito caro. Por isso, se Jokowi for o Presidente da Indonésia, ele não vai adotar o comunismo como ideologia. Ainda por cima, o comunismo, em princípio já não é um problema no mundo ocidental, como o seu berço e o mundo cada vez mais deixa a ideologia comunista do lado da cena política de qualquer Estado do ocidente e do mundo internacional. Ainda existem alguns países comunistas mas, já não são vistos como uma ameaça. O comunismo em si, hoje em dia, pelos vistos já não é uma ameaça para o mundo.

 

O Jokowi ainda pode dar maior atenção em fazer uma boa política para melhorar a vida dos trabalhadores como pretende também o Prabowo com a sua coligação. Mas, ele não vai mudar Pancasila (e tirar a proibição do Partido Komunista Indonesia) como ideologia nem pode tirar a identidade religiosa no cartão de cidadão. Duas coisas sensíveis para a Indonésia. Porque a coligação Merah-Putih de Prabowo é muito forte no parlamento. Mesmo que depois alguns partidos da coligação Merah-Putih saiam da coligação e vão apoiar a governação de Jokowi como por exemplo Golkar, Partido Democrático ou PPP, mas enquanto falar sobre estas duas questões, eu acredito que todos os partidos vão estar contra qualquer intenção em as tirar da lei, para a proibição do comunismo na Indonésia como também qualquer intenção para tirar a identidade religiosa no cartão de cidadão. Se Jokowi obrigar a sua política em relação como essas duas questões, prevejo que ele vai seguir o mesmo destino do antigo presidente da Indonésia Gusdur; vai ser derrubado pelo parlamento.

 

Para terminar, foi como no passado, ninguém pode voltar para reparar algo mau que aconteceu, mas nós ainda podemos determinar o rumo do futuro. O que aconteceu no passado deve ser como que uma lição valiosa para avançar para frente. O passado tem a sua circunstância. Mas nós ainda podemos, aprender do passado, para contribuir algo de bom para a proteção dos Direitos Humanos, a liberdade, a democracia, boa governação, rule of law, para criar um ambiente de paz e de prosperidade para o seu país e contribuir assim para o mundo. Numa perspectiva idealística, era bom que todos os criminosos (qualquer crime) fossem punidos como devem ser e, continuando a respeitar os Direitos Humanos, a dignidade da pessoa humana e a supremacia das leis. Porque a penalização é uma das formas da garantia da autoridade das leis, para restabelecer a estabilidade do país. Mas, na realidade a lei (a lei formal) nem sempre consegue resolver todos os problemas, existem outros mecanismos de resolução de conflitos como no caso de “Nahe Biti Boot” ou resolução dos conflitos (só para resolução das questões menores) através das várias leis informais tradicionais de cada sociedade. O problema existe, na violação dos Direitos Humanos, quando os atos criminosos têm também caracter político, ou resultado de uma consequência da conjuntura política internacional liderada pelos EUA. Para isso, precisamos uma certa maturidade, cuidado e paciência para tratar as coisas de uma maneira mais fecunda para todos nós.

 

Nota: Este artigo foi publicado no Tempo Semanal (um jornal local de Timor-Leste) alguns dias depois da eleição presidencial da Indonésia. Naquela altura ainda decorreu a contagem dos votos.


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
April 2016
Sun
Mon
Tue
Wed
Thu
Fri
Sat

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
22
23

24
25
26
27
28
29
30


comentários recentes
Olá, fico muito feliz por fazer parte daqueles que...
Dr. Hercus,karik bele buka ha'u iha facebook Barba...
Sim Dra. Barbara Oliveira. Ha'u iha interese no in...
Boa noite Maun Hercus,Espera hotu di'ak. Artigu ka...
Muito bem, excelente artigo, muito bem escrito, ta...
Posts mais comentados
subscrever feeds
blogs SAPO