comentar
publicado por Hercus Santos at 10:43 pm

No dia 11 de Fevereiro de 2009 de manhã, acordei muito mais cedo do que o costume. Mas depois fiquei deitado na cama a olhar para o tecto do meu quarto. Não tinha vontade de me levantar da cama. Eu queria dormir mais tempo, mas eu não podia. Eu tinha que me levantar mais cedo, para preparar as coisas e depois ir para o aeroporto, para ir para Portugal com o objectivo de estudar. Eu olhei em meu redor e senti-me muito triste. Senti-me muito triste por deixar os meus pais, todos os meus familiares, amigos e pessoas amadas. Sobretudo senti-me muito triste por deixar o meu quarto. Senti-me muito triste mesmo, nesta manhã de solidão.

 

Eu continuava a olhar para o tecto do meu quarto e os meus pensamentos estavam a voar. Eu estava a pensar sobre a minha vida. Estava a pensar o que iria ser a minha vida no futuro. Eu sabia que nesse dia eu ia sair do meu quarto. Sabia que, logo à noite, eu não podia dormir mais neste quarto durante algum tempo. Talvez cinco anos. Sabia também que, ao longo deste tempo, eu ia ter saudades do meu quarto, da minha cama, da minha mesa de estudo, dos meus livros, do meu computador, do meu armário, do meu oratório, de tudo o que tinha neste quarto. Eu voltei a olhar mais uma vez em redor do meu quarto com um pouco mais de atenção. Voltei a ver as mesmas coisas. Nada era novo. Tudo era igual. Todas essas coisas já estavam ligadas a mim dentro da minha alma. Aliás, estávamos ligados uns aos outros. Tínhamos já uma ligação afectiva bem profunda. Mas, no final, notei uma coisa: o meu quarto estava muito limpo e arrumado. Pois, o meu quarto estava sempre bem arrumado, porque eram a minha mãe, as minhas irmãs e mais algumas outras pessoas que faziam sempre a minha cama. Normalmente, eu não era capaz de arrumar o meu quarto. Não porque eu fosse preguiçoso, mas porque elas não me deixavam fazer isso. Eu sou o filho mais velho dentro dessa grande família e eu sou respeitado dentro da família e dentro da minha comunidade. Então, não era bom se eu fizesse isso. Arrumar o quarto, fazer limpeza e cozinhar eram trabalhos que as pessoas não me deixavam fazer. Para eu fazer esses trabalhos, eu tinha que os obrigar a deixarem-me fazê-los. Mas, às vezes, eu ficava irritado com elas, se elas arrumassem mal as coisas no meu quarto. Muitas vezes, por uma questão estética, elas punham os meus livros como elas achavam melhor e, quando eu precisava deles, eu tinha que procurá-los muito tempo. Quando eu fosse estudar em Portugal, eu tinha que contratar uma pessoa para tomar conta da limpeza do meu quarto. Essa pessoa devia ser uma pessoa de confiança.

 

Nesse dia, eu vi que o meu quarto estava todo limpo e bem arrumado e, a partir desse dia, eu não ia mais estar aflito com elas, porque eu ia deixar este quarto. Eu estava a olhar ao redor do meu quarto. Desta vez eu estava a olhar com carinho. Como se fosse um namorado a olhar para a sua companheira para não o deixar. Mas não havia outra alternativa. Eu tinha que sair nesse dia por um determinado tempo. Até os meus livros, no dia anterior, eu já tinha distribuído pelos meus familiares e amigos. Contudo, lembrei-me de um livro e eu tinha que levar comigo esse livro. Um livro que estava escrito em Inglês e que me tinha sido oferecido por um amigo meu no dia do meu aniversário. Eu e ele andámos juntos na Companhia de Jesus: ele continuava a estudar Filosofia no Ateneo da Manila University: uma universidade que tem prestígio no Sudeste Asiático para nos tornarmos religiosos da Companhia de Jesus. Este livro intitula-se Imitation of Christ e é da autoria de Thomas a Kempis. Eu, por não ter vocação para ser religioso, fui estudar para a Universidade Nacional de Timor-Leste com o apoio do Superior da Companhia de Jesus de Timor-Leste naquela altura e com duas amigas professoras de Língua Portuguesa; Professoras Maria Ângela e Isabel Massa. Estas últimas eram luso-timorenses. Eram muito simpáticas e trataram-nos, a nós seminaristas, como se fossemos seus filhos. Quando voltavam de férias, elas traziam sempre alguma coisa para nós, como lembrança e como sinal de carinho. Tínhamos uma muito boa relação com elas as duas. Eu considero-as como minhas familiares. Tenho muito respeito por elas, como tenho respeito aos meus pais e a outros familiares.

Eu estava deitado na cama e estava a pensar procurar o livro, para o meter bem na mala, porque eu tinha medo de o deixar sem querer. Eu tive que o pôr mesmo no fundo da mala. Eu queria levar o livro, porque era muito importante para mim. Para além de ser uma oferta, este livro também tinha um conteúdo cheio de inspiração e de motivação. Eu achava que o livro era útil como um guia para a minha vida. Então, levantei-me, fui procurar o livro e encontrei-o. Eu não pus o livro directamente na mala, mas abri-o e li uma frase do primeiro parágrafo da penúltima alínea: “(…) bring yourself to things invisible”. Esta frase tocou-me muito e eu continuava a ouvir o eco desta frase nos meus ouvidos da alma, no meu coração. Dizem que este livro era um dos livros mais importantes para os jesuítas.

 

Eu tinha orgulho de ter recebido este presente. Talvez ele me conhecesse muito bem, porque eu gostava muito da espiritualidade da Companhia de Jesus. Nós os dois fomos educados no colégio dos jesuítas e tivemos uma formação na Companhia de Jesus em Timor-Leste. Foi nesta altura que eu e os meus amigos tivemos um encontro com o Professor José Mattoso e vimos o Dr. Rui Marques, que estava em Timor a ajudar a construir o Centro Juvenil Padre António Vieira. Ele, depois de alguns anos, viria a fundar um partido em Portugal chamado MEP (Movimento da Esperança de Portugal). Pessoalmente, eu não tinha tido contacto com o Dr. Rui Marques. Eu só tinha tido contacto com o Professor José Mattoso, quando eu era o Presidente da Associação dos Estudantes do Departamento de Língua Portuguesa. Nessa altura, eu fui contactado pela esposa para organizar uma oração de sapiência. Eu, como não sabia o que é que isso queria dizer, pensei que talvez fosse uma espécie de oração ou, se calhar, uma missa. Afinal, era uma palestra. Acho que foi a primeira oração de sapiência que foi organizada na Universidade Nacional Timor Lorosa’e. Eu não sabia bem sobre isso. Mas depois a gente vê se isso é verdade ou não. Foi então que eu tive contacto com ele e também num dia em que ele me pediu para fazer uma tradução para o catálogo do Museu e Arquivo da Resistência de Timor-Leste. Ele era o responsável do processo da sua fundação.

 

Eu parei um pouco de pensar em outras coisas. Voltei a ler mais uma vez esta frase. Eu li devagar, como se eu engolisse letra a letra da frase dentro da minha alma. Senti uma grande alegria; a minha alma alegrou-se na mão do Senhor. Esta frase ajudou-me a ter esperança na vida. Sim, sentia-me triste por deixar pessoas amadas em Timor, mas, ao mesmo tempo, vi com ânimo o futuro. “(…) bring yourself to things invisible”. Esta frase continuava viva na minha memória. Pois coisas invisíveis eram coisas do futuro: o meu futuro. Agora, o mais importante do meu futuro próximo era estudar. Aliás, estudar em Portugal. As coisas que podia ver eram tudo aquilo que já tinha feito. Mas agora eu tinha que lutar por uma vida melhor no futuro. Do futuro, ninguém sabe. Ele é cheio de coisas invisíveis, mas se eu conseguir tirar um curso em Portugal, a minha vida será diferente e eu vou contribuir com “alguma coisa” para o processo de desenvolvimento do meu país. Eu tenho que ser criativo na minha vida. Eu tenho que estudar para fazer uma transformação na minha vida e poder fazer alguma coisa para o bem do meu país. Eu tenho que ser criativo como o nosso herói Xanana Gusmão, que, na sua juventude, teve que estudar e trabalhar. Ele passou uma vida difícil. Mas agora já é um grande herói de Timor. A história do General Taur Matan Ruak também é igual. Passou uma vida difícil em Díli nos anos 70. Rui Lopes também, mas agora é um dos grandes empresários timorenses. Ele tem muito sucesso na Austrália. Lembrei-me igualmente do Maun Fred Ferreira, que eu tive oportunidade de conhecer pessoalmente. Ele é português, foi para a Austrália e já é um dos grandes empresários da Austrália. Ele, para conseguir ter grande sucesso na sua vida empresarial, passou por vários desafios. Então, essas grandes pessoas ensinam-me muitas coisas. Pelo menos, ensinaram-me uma coisa naquele momento, que era a coragem para lutar por uma vida melhor. Se eles não tivessem tido essa coragem para lutar, eles iriam abandonar todo o seu “sonho” de construir uma vida melhor. Lembrei-me dessas pessoas e tive mais coragem e esperança para partir. Eu ia continuar a sentir tristeza por deixar todas as pessoas amadas que faziam parte da minha vida. Contudo, essa tristeza já era um pouco diferente. Eu já conseguia ver essa tristeza como um desafio a conquistar. Não era para ficar parado com essa tristeza, mas eu tinha que compensar essa tristeza com algo bom. Eu tinha que sair do meu quarto nesse dia para ir estudar em Portugal e voltar um dia com alguma coisa na mão.

 

Nessa manhã bem fria, eu ainda estava no meu quarto a pensar e a pensar. A pensar sobre a minha vida simplesmente, porque esse dia era muito diferente dos outros dias. Era um dia determinante para a minha vida invisível do futuro. Eu estava a pensar como seria a minha vida depois de sair desse quarto. Ninguém sabia e eu também não. Eu estava só no meu quarto. Gosto muito do meu quarto. No meu quarto eu estava a pensar e a pensar sobre todas as possibilidades da minha vida no futuro. Lá fora ouvia-se o barulho das conversas dos familiares. Às vezes eles riam-se. Eles estavam a falar coisas que não percebia. Sobretudo porque eu não estava atento às conversas deles. O meu pensamento e a minha imaginação estavam a voar. Ou, se calhar, podemos dizer que o meu corpo estava dentro do meu quarto e que a minha alma estava noutro mundo. Um mundo qualquer. Um mundo invisível das coisas invisíveis.

Eu estava a pensar muito. Estava a pensar muito no meu quarto. Eu estava a pensar se iria ter sucesso nos meus estudos em Portugal ou não. Eu não sabia responder naquele momento. Eu só sabia que eu tinha que voltar com um diploma na mão. Contudo, isso seria possível? Eu estava a pensar nisso muitas vezes. Eu já pensava nisso há muito tempo no meu quarto. Voltei a pensar nisso outra vez, pois sabia que ia ter vontade de estudar. Também sabia que isso não seria fácil. Eu tinha consciência que, em Timor, eu era conhecido como um dos melhores alunos da Universidade Nacional de Timor Lorosa’e. Aliás, toda a gente que me conhecia tinha respeito por mim, por eu ser inteligente. Mas isso era em Timor. Quando chegasse a Portugal, já ia ser diferente. Eu também não precisava de ser o melhor aluno. Isso nem pensar! Nem bom aluno! Mas seria importante ter notas suficientes para passar às cadeiras. Pelo menos eu ia tentar estudar. Estudar dentro das minhas possibilidades, porque, para passar só de ano, eu já não sabia se eu conseguiria ou não. Não sabia se poderia tirar um curso superior em Portugal dentro dos 5 anos previstos no meu contrato com o Ministério da Educação de Timor-Leste ou não. Eu sinceramente não sabia. As pessoas não iam pensar que tínhamos sido educados num sistema diferente do de Portugal. A qualidade de ensino era diferente. Os materiais que utilizávamos no processo de ensino eram muito limitados. O nosso currículo também era diferente. Nas disciplinas sociais, nós, jovens estudantes timorenses, tínhamos um nível de conhecimentos bem diferente do dos jovens estudantes portugueses em Portugal. Eu achava que a maioria dos estudantes portugueses ia ter uma continuidade dos seus estudos ou que eles deviam ter adquirido conhecimentos básicos no seu curso anterior do secundário e iam aprofundá-los mais nas Universidades. E nós? Eu achava que nós, estudantes timorenses das ciências sociais, íamos começar do zero. Como se começássemos os estudos de novo. Como se nós estivéssemos no primeiro ano do ensino básico, estudando sem nenhuns conhecimentos prévios. Ainda por cima, o nosso conhecimento da língua portuguesa era muito limitado. Eu pensava que essa questão de estudar sem nenhum conhecimento prévio em Portugal devia ser resolvida com uma política do governo timorense de uniformização dos “syllabi” ou das matérias de todos os níveis de ensino de Timor com os de Portugal. O governo devia adoptar uma política para o nosso sistema de educação. Um modelo, aliás, para facilitar mais a competitividade dos estudos dos estudantes timorenses a nível europeu, porque Portugal faz parte da União Europeia. Então, o sistema de Portugal responde às necessidades globais da União Europeia. Assim, adoptar o modelo de ensino português seria uma grande vantagem.

 

Em relação ao conhecimento limitado do português, com o tempo ia-se resolvendo. Sobretudo, eu achava que era muito fácil estudar a língua portuguesa em Portugal. Eu tinha a certeza que, quando eu estivesse em Portugal, bastaria querer aprender português e eu ia ter estudado logo sem ter nenhum obstáculo. Não seria verdade, se eu pensava que em Timor era fácil aprender português, então seria muito mais fácil aprender português em Portugal? Isso era lógico, não era? Porque em Timor havia cursos de português em todo o território sem se pagar nada. Os estudantes que queriam aprender português não pagavam nada, porque os cursos eram financiados pelos governos timorense, português, brasileiro e de outros países de língua oficial portuguesa. Então, quando eu fosse para Portugal, eu ia ter mais facilidade de seguir um curso de língua portuguesa. Esperava que assim fosse em Portugal…

 

No meu quarto, eu estava a pensar que as entidades portuguesas que têm a responsabilidade de ensinar português poderiam ver-nos, estudantes timorenses em Portugal, como um investimento nos recursos humanos, na política da reintrodução da língua portuguesa em Timor. O estado timorense também tem essa responsabilidade por ter adoptado a língua portuguesa como uma das nossas línguas oficiais. Senão, no futuro irá ter problemas no seio da comunidade timorense. Pelo menos, fazer aquilo que o general Taur Matan Ruak falou na imprensa nacional de Timor-Leste, realizando-se a avaliação dessa política de reintrodução da língua portuguesa em Timor. Todas as entidades que têm essa responsabilidade na reintrodução da língua portuguesa deviam ter essa consciência de como reintroduzir a língua portuguesa na comunidade timorense. A língua portuguesa não devia ser dominada só por um grupo de pessoas das elites timorenses, nem podia ser dominada só pelos que têm contactos ou boas relações com o estado português. A língua portuguesa devia ser para todos os timorenses.

 

Na parte que me toca, eu já fiz uma pequena contribuição em Timor-Leste na política de reintrodução da Língua Portuguesa. Não foi grande coisa, mas, pelo menos, eu já fiz traduções para algumas obras de algumas personalidades portuguesas em Timor. Além disso, eu era tradutor do jornal Lia-Foun, um jornal bilingue tétum-português. Este é um jornal com bons objectivos e alguns professores universitários de Língua Portuguesa, afinal, estavam a usar esse jornal na sua sala de aula. Eu soube disso, porque houve uma professora que mo disse noutro dia. Outros colegas professores contaram-me a mesma coisa. Eles tinham usado o material do jornal para ensinar português na sala de aula, porque os estudantes iam compreender mais a gramática do português com a ajuda do jornal Lia-Foun. Os estudantes até poderiam também apreender o “bom tétum”: o tétum padronizado. Foi pena o jornal ter que ser fechado por falta de apoios das entidades ligadas à reintrodução da língua portuguesa em Timor. Por isso, eu tive medo de também não ter apoio na minha vontade de aprender português em Portugal. Mas pronto, essa era a nossa realidade!

 

Eu continuava a pensar no meu quarto. Eu estava a pensar que, depois de conseguir tirar o meu curso de direito em Portugal, eu poderia voltar e ensinar numa Universidade do Estado de Timor-Leste. Apesar de ter sido uma vez convidado para me candidatar ao Parlamento Nacional de Timor-Leste, eu, naquela altura, só aceitei como candidato suplente por pensar que eu ainda não estava preparado para me meter na vida política. Aceitei com essa condição, por pensar que seria uma boa experiência para ver as minhas potencialidades na política e, no final, soube que a vida política não me interessava muito, por eu não ter jeito para fazer política, nem para “saber mentir” para conquistar os votos da população. Mesmo assim, houve pessoas que me convidaram para entrar num partido, mas eu já tinha a certeza que a minha preferência era ensinar numa universidade do estado de Timor-Leste. Alternativamente, se eu pudesse, eu queria ser um intelectual para ter uma melhor contribuição, sem misturar coisas partidárias. Se eu pudesse ensinar português em Timor, seria também uma boa opção. Ou até poderia haver oportunidades para ser um bom tradutor de português-tétum. Traduzir bons livros literários, de ciências sociais ou de ciências naturais ou até de matérias de direito para tétum seria um bom trabalho no futuro. Então, para realizar uma boa reintrodução da língua portuguesa em Timor, a responsabilidade será de todos nós: povo e estado timorenses e povo e estados de Língua Oficial Portuguesa.

 

Contudo, eu ainda continuava a ouvir o barulho das conversas dos familiares lá fora. Desta vez, eu tinha que me levantar para me preparar bem, antes de me despedir dos meus pais, tios, irmãos, primos, outros familiares, amigos e pessoas conhecidas que, afinal, estavam a falar com lágrimas lá fora, por sentirem a minha falta e por eu não estar com eles durante algum tempo num futuro próximo. Eles todos me amavam muito. Eu, com tanta tristeza, tive que sair do meu quarto e abracei-os, um por um. Depois, preparei-me bem para ir para o aeroporto, para partir para Portugal para conquistar uma vida melhor. Naquele dia, eu tive dois sentimentos opostos: tristeza e esperança. Eu senti-me triste por deixar pessoas amadas da minha vida e, ao mesmo tempo, tive esperança de olhar para o futuro. Mas eu continuava a pensar em outras coisas na minha cabeça. Coisas da vida. Coisas invisíveis do futuro e a frase de Thomas a Kempis continuava a cantar dentro da minha alma: “(…) bring yourself to things invisible”.


Tatiana a September 19th, 2010 às 11:39 pm
Olá Hercus! Através de uma pesquisa que me possibilitasse conhecer um pouco sobre o Timor Leste, fui direcionada para a vossa página. E neste momento terminei de ler este seu testemunho. Entendo perfeitamente o que sentiste. Há 5 anos deixei o Brasil para vir realizar um mestrado cá em Portugal, com as bênçãos de Deus consegui vencer e hoje estou a espera do início do doutoramento. Deixar a nossa família, os nossos amigos e costumes não é fácil, mas quando acreditamos nos nossos sonhos e sabemos que Deus está conosco, lembramos da sua Palavra em Josué 1:9. Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não temas, nem te espantes; porque o SENHOR teu Deus é contigo, por onde quer que andares. Lembre-se disso e sucesso :D

Hercus Santos a September 20th, 2010 às 12:28 am
Olá Tatiana,
Muito obrigado pelo seu comentário e gosto muito. Pois Deus é a nossa força e acreditamos que Deus está sempre connosco em qualquer lado da vida. Desejo-lhe sucesso no seu estudo de doutoramento. Muito obrigado!

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
September 2010
Sun
Mon
Tue
Wed
Thu
Fri
Sat

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
16
17
18

19
20
21
22
23
25

26
27
28
29


comentários recentes
Olá, fico muito feliz por fazer parte daqueles que...
Dr. Hercus,karik bele buka ha'u iha facebook Barba...
Sim Dra. Barbara Oliveira. Ha'u iha interese no in...
Boa noite Maun Hercus,Espera hotu di'ak. Artigu ka...
Muito bem, excelente artigo, muito bem escrito, ta...
Posts mais comentados
blogs SAPO