comentar
publicado por Hercus Santos at 11:18 pm

Sou um homem simples de Timor-Leste. Tenho coisas positivas e menos positivas. Tenho capacidade e fraquesa. Sou de uma família simples do interior de Timor-Leste chama-se Laklubar-Funar e eu nasci em Dili. Comecei estudar no ensino básico em Dili (agora já tornou como edifício da Faculdade de Direito da Universidade Nacional de Timor Lorosa'e). Depois fui continuar e acabar em Laklubar o ensino básico e pre-secundário. Desci de novo para Dili para entrar estudar no Seminário de Balide.

 

Eu tinha uma intenção de ser padre naquela altura. Estudar no seminario e ao mesmo tempo estudar no colégio de São José, o único colégio dos jesuitas no país. Deixei o seminário e continuando só estudar no colégio. Depois de acabar o colégio eu fui entrar na Companhia de Jesus. Eu era preperado para ir ao nociado em Singapura. Os documentos necessários foram já tratados. Alguns estavam no processo(incluindo o processo da BI de Portugal). Tudo já estava preparado para eu ir mais a frente entrar no noviciado da Companhia de Jesus em Singapura. Mas infelizmente eu não ia entrar no noviciado por causa de eu ter ficado doente e faltou-me o ánimo para dar mais um passo a frente nesse processo de formação religiosa. O Padre Martins disse a mim que todos os padres que deram entrevista a nós os seminaristas tomaram uma só conclusão ao meu respeito que eu não tinha ânimo de ir mais a frente entrar no noviciado. Uma coisa muito estranho para o Padre Martins. Ele estava a espera que eu devia entrar no noviciado.

 

Mas infelizmente eu não tinha ânimo porque eu estava doente e tinha muitos problemas da família. O Padre Martins era nosso provicial local e ao mesmo tempo o nosso director espiritual. Um padre que defendeu e sofreu muito pela independência de Timor-Leste e também o Padre João Felguieras. No tempo da indonésia eles os dois continuam manter ensinar o português no externato de São José. Eles os dois foram e são símbolo da presença do povo irmão portugal em Timor-Leste.

 

Eu lembro-me quando o padre Fulgueiras ensinou-nos português, ele tentou para nós soubermos pronunciar bem as palavras portuguesas. Mas infelizmente eu não fui continuar a minha formação na Companhia de Jesus. O Padre Martins como o nosso provincial pediu-me para estudar na Universidade. Eu como naquela altura gostava muito do direito, eu fui candidatar-me na Universidade de Dili. Eu fui aceite. Mas o Padre Martins não quis que eu ei estudar nessa universidade privada que usava e usa só a língua indonésia como língua de ensino. Ele quis que eu ia estudar na Universidade Nacional de Timor Lorosae mas tirar um curso no qual a língua de ensino é a língua portuguesa. Então como eu só gostei coisas de direito, literatura, antropologia, sociologia, então o Padre Martins pediu-me para estudar língua portuguesa para esperar quando a Universidade Católica ia fundar (até agora não sei porque esta universidade ainda foi construída) e eu ia estudar direito nessa universidade.

 

Naquela altura o Padre Jacob, um padre jesuita timorense, estava com essa responsabilidade de procurar todos os meios para abrir a Universidade Católica em Timor-Leste. Então eu fui estudar Língua Portuguesa na Universidade Nacional de Timor Lorosae em 2003. Qaundo eu já estava no meio do curso então é que o Governo de Portugal abriu o Curso de Direito na Universidade Nacional de Timor Lorosae.  Porque eu já estava no meio do meu curso de Língua Portuguesa então o Padre Martins quis que eu tinha que acabar o curso. Só depois de acabar o meu curso de Língua Portuguesa em 2007 é que eu fui continuar estudar direito na Universidade Nacional de Timor-Leste. Mas depois eu tinha um bom trabalho então deixei o estudar e eu fui trabalhar como Project Officer da Companhia de Martifer em Timor-Leste. Uma companhia de Portugal.

 

Depois quando eu ganhei bolsa para estudar cá em Portugal eu deixei todo o trabalho e vim cá estudar. Em Timor-Leste eu trabalhava e tinha muitos contactos com os portugueses. Eu era e sou amigo de Portugal. Eu tenho boas relações com os religiosos da igreja católica sobre tudo da Companhia de Jesus, dos Leigos para o Desenvolvimento, dos Irmãos de São João de Deus, alguns dos jornalistas portugueses, dos professores do Instituto Camões e Centro de Língua Portuguesa em Timor-Leste, dos alguns empresários portugueses. Alguns portugueses que estavam e estão a trabalhar na Embaixada de Portugal conheciam e conhecem-me muito bem. A minha cara não é estranha dentro da Embaixada de Portugal. Os timorenses que estavam e estão lá trabalhar também conheciam e conhecem-me muito bem.

 

Eu estou continuar manter boa relação com esses portugueses de bom coração. Aqui em Portugal eu já fui visitar a casa dos alguns amigos portugueses. Eu estou muito contente porque eu sou muito bem recebido pelos amigos portugueses.  Eles estão me ajudar muito e muito. O meus sucesso do estudo conta também com apoio deles. Obrigado por todos amigos e pessoas conhecidas de Portugal que já me ajudaram.

 

 

Obrigado a todos!

Hercus Pereira dos Santos


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
July 2016
Sun
Mon
Tue
Wed
Thu
Fri
Sat

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes
comentários recentes
Olá, fico muito feliz por fazer parte daqueles que...
Dr. Hercus,karik bele buka ha'u iha facebook Barba...
Sim Dra. Barbara Oliveira. Ha'u iha interese no in...
Boa noite Maun Hercus,Espera hotu di'ak. Artigu ka...
Muito bem, excelente artigo, muito bem escrito, ta...
Posts mais comentados
7 comentários
blogs SAPO